A Vida do Siga-me

Estamos todos quebrados – é assim que a luz entra

Ernest Hemingway, famoso escritor norte-americano, foi uma pessoa bem descontente e perdida. Durante a sua vida, ele procurou de todos os jeitos a própria satisfação para preencher aquele buraquinho em que parece que sempre falta uma peça para encaixar. Ele tentou. Tentou com bebidas, romances e, por fim, suicídio; mas ele não acertou. Acertou, no entanto, quando ele disse a frase que nomeia o título deste texto: estamos todos quebrados, e é assim que a luz entra.

Switchfoot, em seu álbum Where the Light Shines Through, traz essa ideia também. Jon Foreman canta no refrão da música: “feridas são por onde a luz entra, feridas são onde a luz te encontra”. Hemingway e Switchfoot concordam numa coisa: é nas nossas feridas e falhas que a luz passa por dentro de nós. Mas, afinal, o que isso tudo significa?

Somos humanos. Somos falhos, erramos uns com os outros, com nós mesmos e principalmente com Deus; machucamos, somos feridos. Nossas histórias pessoais são carregadas por lembranças pesadas que jamais gostaríamos de ter vivido, mas que, de alguma forma bem estranha e que nós não entendemos muito bem, nos trouxeram para onde estamos. Isso tudo faz parte da nossa humanidade.

A verdade é que somos maus e estamos distantes de Deus por natureza. Fomos criados por Ele e para Ele, mas a nossa condição nos levou à quebra desse propósito e hoje sofremos as consequências disso. Sofremos com o vazio do distanciamento.

Quando algo dói, lembramos da existência da dor. Quando sangramos, nos lembramos que temos órgãos nos mantendo vivos. Nosso vazio interno, o lugar quebrado dentro de nós, aponta para algo que precisa de conserto – e que não vem de nós –, e é por meio disso que a luz entra.

A luz é Jesus, Jesus de Nazaré, Deus encarnado em forma humana. Jesus é o Deus que se fez humano para passar por todas as nossas dores, e Ele experimentou o vazio também. Ele sofreu como ninguém carregando todo o peso dos erros da humanidade quando morreu na cruz como um sacrifício. Por suas feridas fomos sarados e por seu sacrifício temos paz com Deus novamente.

Jesus nos encontra nas nossas cicatrizes. Não temos para onde fugir quando Ele vem com a sua luz e torna claro os cantos mais obscuros do nosso ser; tudo aquilo que nós tentamos custosamente superar sozinhos em vão. De fato, não tem como conviver consigo mesmo dessa forma. A única solução é nos rendermos a esse Deus tremendamente misericordioso e maravilhosamente amoroso, que vê nossas feridas e deseja curá-las. Que nos enxerga como humanos, a sua criação, e nos ama além do que somos capazes de imaginar. Ele nos amou desde o começo e conhece cada traço da nossa história.

Podemos ter sofrido, mas não o suficiente para que a graça de Deus não nos encontre. Que ela brilhe ao mundo através das nossas cicatrizes.

ALT
(Ana Laura faz parte da nossa equipe agora, conheça mais sobre ela aqui)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s