Você não acha incrível o quanto Deus se importa com a nossa língua? É serio, um dia fazendo um estudo sobre o falar no livro de Provérbios, eu comecei a contar os versos que falam sobre isso, mas eu parei de contar quando passou de 62 versículos. Ou seja, definitivamente o Senhor tem algo a nos dizer sobre o habito de falar.

Não é à toa que Tiago começa o capítulo três falando: “Todos tropeçamos de muitas maneiras. Se alguém não tropeça no falar, tal homem é perfeito, sendo também capaz de dominar todo o seu corpo” (v.2). Apenas com esse verso podemos perceber duas coisas, primeiro que dominar a língua é algo extremamente difícil, segundo que quem consegue tal proeza também é capaz de ter domínio próprio. Sabemos muito bem que o domínio próprio é um fruto do Espírito, e para gerar um fruto precisamos estar cheios do Espírito. Quem tem domínio próprio se auto domina, quem não tem é dominado por qualquer outra coisa – nesse caso, pela língua.

Já ouvi, li e estudei tanto sobre o assunto que se você achar algum comentário ou ideia familiar aqui, saiba que é porque eu me alimentei de boas fontes. Em Lucas 6.45, vemos que a função da língua é falar sobre o que enche o nosso coração, então se o nosso desejo é realmente dominar a nossa língua, precisamos focar no nosso coração. Fazer com que o nosso coração se volte para as coisas do Alto, enchê-lo das Palavras de vida eterna e mantê-lo em rédeas curtas.

Como vimos no capítulo 2 de Tiago (leia aqui), precisamos ser praticantes e não somente ouvintes, sendo assim, gostaria de trazer algumas aplicações práticas para nossa língua (e no mundo atual tecnológico, falar não é mais só com a boca, é digitando também).

Cale-se! (v.1)
Até o insensato, quando se cala, é tido por sábio; se fica de boca fechada, passa por inteligente” (Provérbios 17.28). Fuja de discussões vãs, não fique opinando a vida alheia. Entenda, não estou falando sobre ser omisso em relação ao pecado, então se não é pecado e se ninguém pediu sua opinião o melhor é ficar em silêncio. Precisamos aprender a ser alunos, descer do degrau de mestres (que nós mesmos nos colocamos) e começar a absorver mais, aprender mais.

Pare de reclamar! (v.3-4)
Façam tudo sem murmurações nem discussões, para que sejam irrepreensíveis e puros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual vocês brilham como luzeiros no mundo” (Filipenses 2.14-15). Se a sua língua dirige a sua vida, para onde você vai se só ficar reclamando? Murmuração é algo que contamina, desanima e dá mal testemunho, como eu posso dizer que sirvo a Deus se eu vivo reclamando da vida, do trabalho, da escola, das pessoas?! Se assim como Paulo, aprendermos a adaptarmos a toda e qualquer situação sabendo que o nosso Pai está no controle de todas as coisas, não tem porque reclamar. Quando entendemos o contentamento e começamos a praticar ações (palavras) de graça, paramos com a reclamação.

Chega de fofocar & julgar! (v.5-6)
Sem lenha, o fogo se apaga; e, não havendo difamador, cessa a discórdia” (Provérbios 26.20). Pare de mascarar sua fofoca usando de desculpa que você está compartilhando um pedido de oração ou tentando resolver a situação. Quer acabar com a fofoca? Corte pela raiz, não se submeta a ouvir algo sobre alguém que não está presente para se defender. Não teve como fugir e acabou ouvindo?! Não passe para frente, coloque diante do Senhor e confie que Ele irá resolver a situação. Não deixe o diabo usar sua língua como fagulha para incendiar seus relacionamentos e destruir as pessoas, ao contrário deixe Deus usar sua língua para salvar vidas. E lembre-se que quando uma palavra sai da nossa boca, ela não volta e o estrago já foi feito.

Pense para falar! (v.7-8)
“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o pensamento de vocês” (Filipenses 4.8). Você prefere nunca mais falar, ou falar tudo, exatamente tudo, o que você pensa? Não foi por acaso que Deus fez os pensamentos separado da boca, é porque existe um caminho. Os pensamentos precisam passar por um filtro: É verdade?; É relevante?; É edificante?. Pensar é diferente de falar, não é porque eu penso que eu sou obrigada a falar, construa o caminho. Aprenda a pensar. Quer ter um falar puro? Tenha uma mente pura!

Consagre sua língua ao Senhor, não permita que a mesma boca que louva o nome do Deus que é Santo, Santo e Santo, fale coisas que ofendam o próprio Deus.

JG