Mais um ano chegando ao fim e é inevitável não fazer uma retrospectiva do ano, lembrar de como tudo começou, dos desafios que foram superados, das lágrimas derramadas, do consolo na hora certa, da família presente, do apoio dos amigos, das metas alcançadas e das não alcançadas também. Mas quais objetivos será que realmente vale a pena traçar para o ano novo?

Na virada do ano para 2018, eu tinha bem definido aquilo que eu queria realizar e melhorar para o resto do ano, mas o Senhor me mostrou que eu estava ligeiramente equivocada. Janeiro mal tinha começado e meu coração estava partido. Meu ano começou com um término, que veio terminar também com alguns sonhos, planos e objetivos para esse ano. Meu 2018 poderia se resumir nisso, eu focada na minha dor e no quanto as “coisas eram injustas” para mim, e ter se tornado um ano inútil.

Isso me mostrou que, não apenas quando um ano novo está prestes a começar, mas a todo instante sempre teremos duas opções ao traçar nossas metas: focar no que é eterno, ou no que é inútil. E se acha que estou sendo radical de mais, comece o ano lendo Eclesiastes e certamente você me entenderá. Relatos de um rei que experimentou todos os prazeres dessa terra, o mais rico de todos na sua época e ele concluiu que é “tudo sem sentido! Sem sentido!”, diz o mestre. “Nada faz sentido! Nada faz sentido!” (Eclesiastes 12:8). Se dinheiro, trabalho, relacionamentos não trazem sentido a vida, o que traz?

“Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos, porque isso é o essencial para o homem. Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mau” (Eclesiastes 12:13‭-‬14). O fundamento de nossas vidas deve ser o Senhor, Pedro conversando com Jesus também reconhece isso “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna” (João 6.68).

O temor ao Senhor e a obediência a sua Palavra deve ser o que norteia nossos dias. Fazer metas para o ano novo não é errado, na verdade eu mesmo preciso estabelecer algumas, a questão é qual vai ser a base das nossas metas. O nosso foco deve ser honrar o Senhor, nossos objetivos precisam ser guiados pelo Espírito Santo. Ainda que nossos sonhos para 2019 sejam casar, arrumar um emprego, nos formar ou algo do tipo, tudo deve ter como prioridade glorificar a Deus. E essa é a diferença entre um ano útil e inútil, porque ainda que nossas metas não se concretizem teremos feito tudo para Deus e não para nós mesmos, em prol do nosso próprio egoísmo, não teremos passado um ano correndo atrás daquilo que não tem valor perante o Reino.

“Tudo o que não é eterno, é eternamente inútil” C. S. Lewis

JG