O celular toca no horário programado na noite anterior, você tem duas opções: clicar no botão da “soneca” e dormir mais um pouco, ou desligar, acordar e ir ter seu tempo com Deus. Você abre seu armário e encontra uma vasta opção de roupas para vestir. Você está no transito e recebe uma fechada e em uma fração de segundos escolhe quais palavras sairão da sua boca, se sua mão irá até a buzina ou se simplesmente continuará seu caminho. As eleições se aproximam, e depois de muito pesquisar você vai ter que escolher em qual candidato votar. Você está na igreja, no trabalho ou na sua casa e precisa decidir como vai agir com as pessoas a sua volta, você pode interagir com elas ou simplesmente ficar na sua, afinal você já tem seus próprios problemas. Essas são apenas algumas, das milhares de escolhas que você enfrenta todos os dias.

E elas nos revelam que nunca estamos neutros diante das nossas atitudes, isso quer dizer que nossas ações mostram o que nos governa. Tiago no capítulo 1, versículo 14 diz que “cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por este arrastado e seduzido”. Por quem ou pelo o que você tem sido arrastado e seduzido? O que tem controlado e governado o seu coração? Se o que governa o seu coração não for Deus, Ele também não será o foco da sua adoração, da sua vida.

Jesus ao falar sobre os desejos do nosso coração usa a imagem de um tesouro. “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração. Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz. Mas se os seus olhos forem maus, todo o seu corpo será cheio de trevas. Portanto, se a luz que está dentro de você são trevas, que tremendas trevas são! Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro” (Mateus 6.19-24a). Sobre esse trecho podemos aprender lições valiosas. Existem apenas dois tipos de tesouro: o celestial e o terreno. O meu coração sempre se inclinará para onde estiver meu tesouro (pessoas, carreira, objetivos de vida, etc.). Todos buscam por um tesouro, que consequentemente controlará o coração, que controlará o comportamento (escolhas; ações). O maior fracasso do ser humano é passar uma vida inteira investindo no tesouro errado.

Sendo assim, todas as escolhas que fazemos durante o nosso dia são regidas por aquilo que está em nosso coração. É impossível ter atitudes que glorifiquem a Deus se o próprio Deus não reina no meu coração. E não, quando falo de Deus reinar seu coração, eu não estou falando sobre sentir Deus (mas você pode ler sobre isso aqui). Mas falo de fazer do Senhor o seu tesouro, aquilo que você tem de mais precioso, aquilo pelo qual vale a pena viver e morrer. Falo sobre tornar suas ações e atitudes intencionais para a glória de Deus.

“Nenhuma árvore boa dá fruto ruim, nenhuma árvore ruim dá fruto bom. Toda árvore é reconhecida por seus frutos. Ninguém colhe figos de espinheiros, nem uvas de ervas daninhas. O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração”(Lucas 6.43-45). Podemos dizer que nessa passagem Jesus está nos comparando com árvores. Uma arvore produz frutos e nosso coração produz comportamento. As raízes da arvore são o coração (o eu interior; a essência do ser). Elas estão embaixo da terra e por isso não podem ser facilmente vistas ou compreendidas. Sendo assim, falamos e agimos como quer o nosso coração. As circunstâncias e as pessoas não são culpadas sobre a maneira como agimos, elas somente possibilitam uma ocasião para que o nosso coração se revele e mostre qual tem sido nosso tesouro, quem nós temos servido.

Suas escolhas sempre serão baseadas naquilo que tem enchido seu coração, por isso é de extrema importância que busquemos dia após dia a santificação, precisamos ter cuidado ao nos inspirar em pessoas ao invés de olhar para Cristo, o cordeiro perfeito. Também precisamos ter cuidado com o que vemos, ouvimos, lemos. Lembre-se que Eva foi tentada pela cobiça dos olhos, ela viu algo que parecia agradável, se suas atitudes desagradam a Deus é porque, assim como Eva, o seu coração deseja algo além de Deus.

Jamais ignore o coração por detrás das ações, para resolver isso não basta apenas mudar nosso comportamento, assim como Davi orou precisamos pedir que o Senhor sonde o nosso coração e o avalie, que Ele nos revele quem tem sido o nosso deus, onde nossa raiz está fincada. A mudança precisa ser completa e permanente em nosso coração, encher nosso coração de Deus, deixar nossas raízes fincadas na Palavra e consequentemente os nossos frutos serão agradáveis ao Senhor.

A grande guerra espiritual é a guerra pelo controle do seu coração. Não permita que o seu coração te seduza com os tesouros dessa terra. Busque o tesouro que morreu e ressuscitou para se tornar a raiz que o fará frutificar para a glória de Deus.

JG