Ao ver as notícias sobre a crise no Brasil, as reações dos brasileiros variam entre ficar preocupados, revoltados, inertes ou fazer desse momento uma ótima oportunidade para criar humor (os famosos memes). Se são apenas os caminhoneiros, se é pelo combustível ou pelos impostos como um todo, se é pelo fim da corrupção ou pela intervenção militar, a grande questão que queremos analisar nesse artigo é: qual é o papel do cristão em meio ao caos brasileiro.

A Bíblia é um ótimo e confiável livro histórico, com ricos relatos do que aconteceu no passado da humanidade. No antigo testamento temos passagens que mostram o povo exposto a problemas políticos e sociais que os faziam sofrer e acreditar que já não havia uma saída, entretanto, o Senhor fazia questão de levantar servos que clamavam por seu povo incessantemente. Neemias foi um desses servos. Seu nome significa “o Senhor consolou”, era da geração de descendentes daqueles que foram mandados de Jerusalém para a Babilônia pelo rei Nabucodonosor. Neemias possuía um cargo muito importante na corte persa, ele era o copeiro do rei Artaxerxes, como copeiro seu trabalho era zelar pela vida de seu senhor e impedir que o envenenassem.

Certo dia Neemias recebe uma notícia acerca de seu povo: “Aqueles que sobreviveram ao cativeiro e estão lá na província, passam por grande sofrimento e humilhação. O muro de Jerusalém foi derrubado, e suas portas foram destruídas pelo fogo” (Neemias 1.3). Essa informação tirou o chão do copeiro, ele foi tomado por uma profunda tristeza, “quando ouvi essas coisas, sentei-me e chorei. Passei dias lamentando, jejuando e orando ao Deus dos céus” (Neemias 1.4). Temos muito a aprender com essa reação, ele não ficou inerte a situação, ele não se revoltou e começou a reclamar com seus amigos e também não achou um jeito de se beneficiar através dessa desgraça. Ele se entristeceu, se compadeceu das dores do povo e ele foi buscar consolo com o único capaz de nos consolar e resolver nossos problemas.

A oração de Neemias merece sua atenção, então eu o convido a ler essa oração clicando aqui. O reverendo e autor britânico G. Campbell Morgan escreveu: “O homem que orava estava cheio de beleza e revelava uma correta concepção de como deveria ser uma oração sob tais circunstâncias. Ele se iniciou com uma confissão. Sem reservas, ele reconheceu o pecado do povo e identificou-se com ele. Então ele prosseguiu reivindicando as promessas que Deus lhes havia feito, e terminou com um pedido pessoal e definido de que o Senhor lhe desse graça aos olhos do rei”.  Cerca de quatro meses se passaram desde que Neemias recebeu as tristes notícias, e enquanto estava servindo o rei percebeu que seu semblante pela primeira vez não estava alegre. O Senhor moveu o coração do rei que concedeu ao copeiro a permissão para ir até Judá e ajudar a reconstruir a cidade de seus antepassados, além disso conseguiu também o material que precisava para fazer essa obra.

Apesar da bondosa mão de Deus estar sobre Neemias, isso não o impediu de enfrentar oposições e desafios. Primeiro sofreu oposição externa, três homens tentaram a todo custo prejudicá-lo com zombarias, insultos, ataques armados e até mesmo criando uma armadilha para que Neemias cometesse o erro gravíssimo de entrar em um lugar que ele não era permitido. Depois veio a oposição interna, devido a problemas econômicos e sociais, pois Judá estava economicamente isolada e com a reconstrução dos muros da cidade fez com que as produções de cereais diminuíssem, porque todos se dedicavam a obra. Neemias finalizou seu trabalho e ainda conseguiu muitas outras melhorias para seu povo. Em tudo isso manteve seu caráter digno e é descrito como um homem de oração. Definitivamente, através de suas orações, o Senhor o consolou. E não apenas ele, mas todo uma nação foi abençoada através das atitudes de um único homem.

Outro exemplo é Moisés que foi escolhido por Deus para liderar o povo de Israel durante sua libertação do Egito (a história completa de Moisés se encontra nos livros de Êxodo e Deuteronômio). Durante os anos em que o povo peregrinou no deserto, Moisés costumava se retirar para falar com Deus, em uma dessas vezes o povo viu que ele demorava a descer do monte, então se reuniram e construiram um bezerro de ouro e o adoraram. Deus se irou com a teimosia do povo e estava prestes a destruí-los quando Moisés clamou “Ó Senhor, por que se acenderia a tua ira contra o teu povo, que tiraste do Egito com grande poder e forte mão? […] Arrepende-te do fogo da tua ira! Tem piedade, e não tragas este mal sobre o teu povo!” (Exôdo 32.11-12). Em resposta Deus decidiu mudar sua atitude para com o povo e não mais destruí-los.

Temos também Abraão, Esdras, Débora, Ester e tantos outros, todos foram acolhidos pelo consolo e a direção de Deus através da oração em momentos em que o povo estava em total sofrimento e/ ou depravação. Através deles nações foram curadas, restauradas e abençoadas. Assim, o nosso papel como cristão é sair da inércia, da revolta, do humor e florescer – “quando os justos florescem, o povo se alegra; quando os ímpios governam, o povo geme” (Provérbios 29.2). Tudo isso que vimos no antigo testamento pode ser uma realidade em nossa geração também. Sim, Deus pode e provavelmente quer usar nossas vidas, usar nossas orações que devem ser acompanhadas de fé, ao saber que é o Senhor quem está no controle de todas as situações, e apenas Ele pode conceder uma saída para as nossas aflições.

Sendo assim, precisamos depender do Senhor e só assim veremos um futuro para nossa nação. Clamemos a Deus por justiça, clamemos por sabedoria aos nossos governantes, clamemos por sua misericórdia em meio ao caos, vamos clamar para que cristãos se levantem e apontem para Cristo, clamemos para que o socorro e a retidão de Deus inundem nossa nação. Se não fizermos isso qual a diferença entre nós e o povo teimoso e rebelde de Israel no antigo testamento? Enquanto todos estão perdidos que sejamos jovens e adultos escolhidos por Deus a interceder por uma nação para a glória eterna. Não é um partido, uma greve ou a redução de impostos que pode salvar o Brasil, mas sim o nosso Deus.

“Todos os confins da terra se lembrarão e se voltarão para o Senhor, e todas as famílias das nações se prostrarão diante dele, pois do Senhor é o reino; ele governa as nações
(Salmos 22:27-28)

JG em parceria com Yuri Giabbani

(obrigada YG por abençoar minha vida com a sua preocupação com nosso país)