Entre vários “conceitos” (ou palavras) importantes para o cristianismo, talvez uma das mais conhecida seja a GRAÇA, uma palavra citada mais de 160 vezes na Bíblia. Desejamos “graça e paz” e até enchemos a boca para falar do “escândalo da graça”, mas será que de fato paramos para pensar sobre o que é graça e como isso pode e deve mudar a nossa vida?

Provavelmente a definição mais conhecida de graça seja: favor imerecido. E realmente é uma boa definição, uma vez que todos nós pecamos e estamos separados da glória de Deus (Romanos 3.23) merecíamos a morte, entretanto Deus nos dá vida através da morte e ressurreição de Cristo – algo que não merecíamos devido à nossa condição. Dessa forma, ganhamos justiça à custa de Cristo, Ele pagou o preço em nosso lugar, um ato adequadamente realizado que cobre toda a nossa dívida. Quando pecamos estamos ofendendo a Deus, e o próprio ofendido veio ao ofensor oferecer a reconciliação. A graça é um dom de Deus, e nos foi dada, sendo assim nada que fazemos pode conquistar a graça.

“¹¹Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. ¹²Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente” – Tito 2.11-12

Estudando sobre a graça esse foi o versículo que mais iluminou minha mente. Nele podemos observar que a graça possuí uma origem – Deus, foi uma decisão amorosa dEle para salvar o seu povo; uma natureza – salvadora; um alcance – humanidade / pecadores (“a todos os homens“); e uma consequência – transformação (v.12). Nos comentários da minha bíblia diz que a palavra traduzida por “ensina” é mais do que apenas instruir, refere-se a todo o processo de educar uma criança – instrução, encorajamento, correção e disciplina. A graça veio diretamente de Deus (através da cruz) para nos salvar de nós mesmos, salvar das cadeias que nos fazem escravos do pecado, nos salvar da morte espiritual e de uma eternidade longe da presença do Pai. A graça veio para nos impulsionar a deixar a carne para trás e morrer para nós mesmos (2 Pedro 2.24) e a partir daí, viver de uma maneira que agrade a Deus até que Cristo venha nos buscar.

A graça é o poder transformador de Deus, e por “poder” você pode imaginar literalmente um poder igual os super-heróis possuem ou você pode definir como a força de Deus, fica a critério do leitor até porque a questão é que a graça me transforma, ela muda a minha perspectiva sobre a vida. Uma vida que embaixo do sol tudo é considerado vaidade, correr atrás do vento (Eclesiastes 1.14) ganha um novo sentido se eu manter meus pensamentos acima do sol “mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas” (Colossenses 3.2), “tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas” (Filipenses 4.8).

A graça através da qual fomos salvos é a mesma que afirma que a nossa salvação deve produzir frutos – boas obras. A graça nos liberta das correntes do pecado, mas é a nossa atitude que vai definir as mudanças em nossas vidas. A graça me transforma quando eu olho para frente e vejo a promessa da graça futura, de que Cristo voltará, e isso deve me motivar. Ela me transforma quando eu olho para trás e vejo a cruz – morte e ressurreição de Cristo, a garantia de que a graça veio sobre nós (Efésios 1.19-20). A graça transformadora: traz razão para viver; proporciona esperança para as grandes batalhas; fortalece a fé; restaura corações feridos; faz nova todas as coisas; perdoa pecados; estabelece relacionamento com Deus e faz pecadores serem adotados como filhos de Deus.

“Não é nada menos do que escandaloso que Jesus tomou nosso lugar. Apenas chame isso do que é. Chame isso de graça

(call it grace – unspoken, o vídeo da música está logo abaixo)

 JG