Eu trabalho em uma escola das 8h às 16h10 de segunda a sexta. Fico para cá e para lá atrás das crianças o dia inteiro, por isso levo sempre comigo uma garrafa d’água e chego a enchê-la de quatro a cinco vezes durante todo o dia. Até que um dia eu simplesmente esqueci de levar a garrafa. Que dia triste! Minha garganta ficou seca, me senti sem forças e estava com sede o tempo. Foi então que eu percebi o quanto a água me fazia falta. Foi inevitável não lembrar de um episódio bíblico, e de uma pregação. E agora estou aqui para compartilhar com vocês.

O texto se encontra no livro de João, capítulo 7 do versículo 37 ao 53. É um texto bem conhecido em que Jesus declara ser a fonte de água viva.  A narrativa começa dizendo que Jesus estava no último dia, o mais importante de uma festa, a Festa das Cabanas (Tendas ou Tabernáculo). Essa festa tinha o objetivo de fazer o povo lembrar do tempo Egito e peregrinaram pelo deserto habitando em cabanas, sendo sustentados e cuidados pelo Senhor o tempo todo (Levítico 23.33-43). Uma parte da festa era para louvor e ação de graças a Deus, particularmente pela colheita. A festa durava 7 dias e terminava no oitavo, com uma grande convocação do povo no pátio do templo. Havia também o cerimonial da água, ao tocar a trombeta o povo ia para rua assistir os sacerdotes que iam ao tanque de Siloé enchiam uma vasilha de água e depois voltavam ao templo e a derramavam no grande altar. No sétimo dia o sacerdote circulava 7 vezes no altar enquanto o povo cantava salmos. Então chegava o momento em que o sacerdote levantava o jarro com água para que o povo visse, e então a água era derramada no altar.

  De volta ao texto, no dia mais importante “Jesus se levantou e disse em alta voz: Se alguém tem sede venha a mim e beba” (v.37), muitos acreditam que “o dia mais importante” se refere ao sétimo dia em que o sacerdote derrama a água e o povo todo via a água cair e naquele momento de contemplação Jesus se levanta e grita. Outros acreditam que se tratava do oitavo dia, no oitavo dia não acontecia o cerimonial das águas, e talvez, no dia em que não havia água para ser derramada Jesus viu uma oportunidade de apontar para a verdadeira água. Se era no sétimo ou no oitavo dia não faz muita diferença, os dois dias estão ligados a água e dão ao contexto um significado incrível.

É interessante notar que Jesus coloca uma condição na sua fala “Se alguém tiver sede”. Nós devemos ter consciência de que precisamos de água. Eu não havia me tocado do quanto eu bebia água no meu trabalho, até eu precisar beber e não ter minha garrafa por perto.  Ainda que eu não sinta sede eu tenho que ter ciência de que eu preciso da água. Eu preciso me manter hidratada. Ficar sem água pode me colocar em situações de risco e até mesmo me levar a morte. O ser humano consegue sobreviver alguns dias sem alimento, mas sem água ele morre. O nosso corpo precisa de água como a nossa alma precisa de Cristo. Talvez você esteja desesperado por água, mas tentando se saciar da fonte errada. Antigamente, nas grandes cruzadas, os marinheiros ficavam mais dias do que o planejado em seus barcos e completamente sem suplementos. A sede deles era tanta que, ou eles enlouqueciam ou acabavam bebendo água do mar, água salgada. Ela parece saciar a sede, mas não o faz, ela apenas a intensifica. Todos precisamos de água e o mundo nos oferece água salgada, seja através de amizades, carreira, festas, status, relacionamentos, drogas… essa água não mata a sede, mata quem tem sede.

Você certamente está curioso para saber como é que se bebe da água viva. Dvemos beber através do crer, através da fé “Rios de águas vivas brotarão do interior de quem crer em mim” (v.38). É preciso saber quem é Jesus e o que Ele fez na cruz por nós, pois Ele pode saciar a nossa sede, porque na cruz Ele se aproximou de nós, venceu a morte e as trevas e ressuscitou. Ele morreu em nosso lugar e nos salvou. Através dele nos é dada a presença de Deus através do Espírito Santo (João 14) e é por isso que hoje podemos nos saciar nessa água de tal forma que, faz brotar em nós uma fonte poderosa, capaz de jorrar rios de nossas vidas. Rios que chegam até os que estão a nossa volta, levando graça, amor, esperança e uma chance de ter

Talvez você não esteja sentindo sede, mas sabe que precisa da água; talvez você esteja bebendo água salgada e lentamente cavando sua cova; ou talvez você conheça a fonte de água da vida, mas ainda não está se saciando nela. Esse é o momento em que eu te convido a sentar ouvir o que Jesus tem a dizer, o que Ele levanta e grita. Jesus se apresentou como a água que mata a sede e traz vida, essa afirmação trouxe divisão entre o povo daquela época (v.43). Minha oração é que essa afirmação traga divisão para a sua vida, e que você se encontre sendo saciado por Cristo.

 

Meu corpo precisa de água, minha alma precisa de Cristo. Ele é a água que não pode faltar.

J.G