Ao lermos e analisarmos o capítulo oito do evangelho de Lucas  vemos que Jesus está viajando pela região da Galileia, Ele estava ali ensinando, curando e operando milagres, mas não estava só, muito pelo contrário, além dos 12 discípulos (v.1) e um grupo de mulheres que os davam apoio financeiro (v. 2 e 3), havia uma grande multidão O seguindo (v. 4). Jesus se afasta da multidão por um tempo e se direciona para uma outra terra, onde mais uma vez mostra o seu poder expulsando uma legião de demônios (v. 26-39). Mas ao passar esse fato Ele volta e todos estão ali a sua espera (v. 40).

Então eis que aparece um oficial chamado Jairo, e faz a Jesus um chamado de emergência “Jesus, minha filha tem apenas 12 anos e está muito doente, está morrendo a não ser que o Senhor chegue lá rápido!”, isso bastou para gerar naquela multidão um alvoroço, uma histeria , até porque era uma situação de vida e morte. Eu quase consigo ouvir a multidão cochichando: “Será que Ele chegará a tempo?” “Ele conseguirá salva-la?”. Jesus seguia para ver a menina enquanto isso “a multidão o comprimia” (v. 42), e em meio a esse tumulto, esse frenesi, havia uma mulher com um problema crônico de hemorragia, o texto nos diz que ela sofria com essa doença há 12 anos e já havia gastado todo o seu dinheiro buscando uma cura, ela se aproxima por trás dEle e toca em seu manto e nesse EXATO momento sua hemorragia parou (v. 43 e 44). E não mais que de repente Jesus pára e toda a multidão também pára. Ele pergunta: “Quem me tocou?” (v.45).

Tente por um minuto imaginar como deveria estar lotado de pessoas e como caótico deveria estar aquele momento e o quão sem noção deve ter parecido essa pergunta do Mestre para os que o seguiam. A reação dos discípulos não nos surpreende (acho que todos responderíamos da mesma maneira) “Jesus, olha quanta gente tem ao seu redor, sério que você quer saber quem tocou você? As pessoas tocam no Senhor desde voltamos para cá após expulsar a legião de demônios.” Mas o toque que Jesus havia sentido era diferente de todos os outros toques, era um toque tão forte que de Jesus saiu poder, Ele sentiu o toque de fé. Queridos para sermos curados, para sermos “percebidos” por Jesus nós precisamos agir como essa mulher. Que lição maravilhosa, em meio a uma crise, em meio a uma situação de desespero, uma situação até constrangedora (se pararmos para pensar no estado físico em que aquela mulher se encontrava e mesmo assim se aproxima do Mestre) ela se aproxima, sem fazer alarde, sem fazer cena, ela se aproxima sem falar nada, apenas ela e sua fé. Jesus reconhece isso, e a mulher se destaca em meio a multidão por sua fé!

Muitos se desviam da Palavra pois deixam sua fé morrer, acreditando que não existe mais solução para seus problemas, ou por achar que fazer um drama, uma cena ou se revoltar contra Deus vai ajudar. Será que se a mulher tivesse ficado gritando, chorando, lamentando-se  ou se ela se acomodasse esperando Jesus vir até ela, ela teria sido curada?

Não cabe a nós julgarmos,  mas uma coisa fica muito clara diante desse episódio: Deixe a sua fé falar por ti!

JG