Minha mãe sempre teve um sério problema comigo na escola, começou quando eu era pequena e parou na faculdade (mas só porque os professores não tem o hábito de chamarem os pais dos alunos para conversar, brincadeira). Toda reunião de pais ou de fechamento de bimestre era a mesma coisa, a mesma reclamação: “Sua filha fala demais!” – coitada, como se minha mãe mesmo não soubesse desse fato. Eu gostava tanto de falar que aos finais de semana eu ligava para a minha professora a fim de contar a ela o que eu estava fazendo. A questão é que com o passar do tempo eu tive que aprender a falar menos (confesso que ainda não sou muito boa nisso) e percebi dois pontos bem críticos em questão ao falar:

O primeiro é que muito do que falava era sem pensar, o que vez ou outra me levava a dizer coisas desnecessárias, informações que poderiam passar sem ninguém saber.

O segundo é que eu tinha (e infelizmente ainda tenho) uma “incrível” habilidade de sempre ter uma resposta na ponta da língua e geralmente uma resposta bem afiada.

Ao olhar para esses dois pontos sob a luz da escritura percebi que Deus nos deixou algumas instruções a respeito. Apenas ao analisar o livro de Provérbios encontrei mais de 60 versos direcionados ao falar e quero abordar dois que me fazem parar e refletir, o primeiro está no capítulo 13 versículo 3 que diz “Quem guarda a sua boca guarda a sua vida, mas quem fala demais acaba se arruinando.” muitas vezes nós não nos atentamos do quanto falamos, mas o sábio Salomão no adverte a guardar nossa boca para guardar nossa vida, quantas vezes já não entramos em situações delicadas por culpa de nossas palavras, como por exemplo deixar escapar algo que alguém nos contou, ou ao querer desabafar acabar contando mais do que deveríamos e expondo nossa própria vida.

O segundo está no capítulo 12 versículo 18 “Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz cura.” acredito que não seja necessária muita explicação a cerca desse verso. Nós não sabemos o quanto nossas palavras podem machucar alguém até que a ferida já esteja feita, você certamente já foi magoado por algo que alguém te falou e quantas vezes foi você quem magoou alguém com alguma palavra? Muitas vezes a simples “brincadeira” que você fez ou a “piadinha” que contou já feriu vários amigos, irmãos em Cristo (quantas seriam as aplicações em cima desse assunto, fico tentada a escrever mas vou me conter e deixar para um próximo post.), sei que hoje em dia é muito comum ser irônico e sarcástico e quanto mais você o for mais legal você é. Mas será que esse realmente é o comportamento que Cristo espera de nós?

Nos atentemos então às Escrituras e guardemos as palavras de Deus em nosso coração para não pecarmos contra Ele nem contra nosso irmão. Vença seu orgulho, assuma que todos temos dificuldades com a língua “Todos tropeçamos de muitas maneiras. Se alguém não tropeça no falar, tal homem é perfeito, sendo também capaz de dominar todo o seu corpo.”  (Tiago 3:2), não deixe que as palavras se transformem em cadeias que te prendam, mas ao contrário se encha de Deus e será isso que transbordará de seus lábios. Minha mãe ainda me ouve falar todos os dias e acho que será assim por muito tempo mas tento poupar os ouvidos dela de comentários desnecessários e rudes. Se tem algo que eu aprendi a respeito do meu falar é que quanto mais íntima de Deus eu estiver mais sobre Ele poderei falar e mais como Cristo poderei falar, faça a diferença: saiba a hora de se calar e saiba utilizar as palavras adequadas, palavras amáveis e que ofereçam conforto e cura.

Não permita que a mesma boca que adora ao Senhor magoe o próximo, guarde sua boca, guarde sua vida!

JG